Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.animaeducacao.com.br/handle/ANIMA/14497
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorKovacevic, Fabio-
dc.contributor.authorCarvalho, Adriano-
dc.coverage.spatialParipirangapt_BR
dc.date.accessioned2021-07-14T00:03:55Z-
dc.date.available2021-07-14T00:03:55Z-
dc.date.issued2021-07-13-
dc.identifier.urihttps://repositorio.animaeducacao.com.br/handle/ANIMA/14497-
dc.description.abstractA depressão é um dos maiores danos à saúde mental existente no mundo, sendo o terceiro maior acometimento digno de afastamento ao trabalho. Assim, como: malefícios funcionais, sociais, intelectuais e financeiros. Seu principal sinal é o resultado de: crescente solidão, afastamento de pessoas ou grupo social, raiva, sentimentos negativos e insegurança quanto ao futuro. As causas são multifatoriais, porém de difícil diagnóstico clínico. O público vulnerável é idoso; no entanto, não descarta todos os demais grupos sociais, em todas as idades, gêneros e classe financeira. No período da pandemia, sendo decretada pela organização mundial de saúde (OMS), no dia 11 de março de 2020, após calamidade e catástrofe a saúde, identificado em Wuhan, província Hubel na China. A pandemia trouxe diversos acometimentos ao mundo em geral, como: desemprego, fome, medo, morte, insegurança, agressões às mulheres, mitos, Fakes News. E tudo isso, contribuiu de forma alarmante para os agravos psicológicos como depressão e ansiedade. Desta forma, o objetivo desse estudo é identificar os índices crescentes da depressão e ansiedade durante a pandemia e, o uso de possíveis substâncias como solução e melhoria da qualidade de vida. É de perfil revisão integrativa, com estudos mais recentes com tema semelhante nas redes: Pubmed, Scielo, Bireme, Lilacs, Medline. Foi possível identificar que os agravos psicológicos obtiveram grandes índices em todos os públicos; principalmente, aos profissionais da saúde que atuaram frente à pandemia. O medicamento mais aceito foi o uso de fluoxetina, sendo o de maior prescrição médica. Portanto, fica claro que a depressão passou a ter dados maiores que os casos de contaminação de COVID-19, acometendo todos os públicos no período de isolamento social – deferido por decretos a fim de controlar o surto viral. PALAVRAS-CHAVE: Medicamentos. Pandemia. Doenças do Sistema Nervoso Central. Saúde Mental.pt
dc.format.extent41 f.pt_BR
dc.language.isoptpt_BR
dc.rightsAtribuição-SemDerivados 3.0 Brasil*
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nd/3.0/br/*
dc.subjectMedicamentospt_BR
dc.subjectPandemiapt_BR
dc.subjectDoença do Sistema Nervoso Centralpt_BR
dc.subjectSaúde Mentalpt_BR
dc.titleAnsiedade e depressão na pandemia: o uso de substâncias na busca pela qualidade de vidapt_BR
dc.title.alternativeAnxiety and depression in the pandemic: the use of substances in the search for quality of lifept_BR
dc.typeMonografiapt_BR
local.subject.areaCiências da Saúdept_BR
local.rights.policyAcesso abertopt_BR
local.author.cursoFarmáciapt_BR
local.author.unidadeAGES / Paripirangapt_BR
Aparece nas coleções:Farmácia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TCC revisado Adriano Carvalho OFC pdf.pdf2 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons