Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.animaeducacao.com.br/handle/ANIMA/14582
Título: Uso de anticoncepcionais orais na incidência de eventos trombóticos: uma revisão integrativa
Autor(es): Almeida, Lalia
Orientador: Pacheco, Fabio
Tipo de material: Monografia
Data: 14-Jul-2021
Palavras-chave: Anticoncepcionais orais combinados
Estrogênio
Hipercoagulabilidade
Trombose
Modalidade de acesso: Acesso aberto
Resumo: Introdução: Os anticoncepcionais orais combinados (AOC), introduzidos no mercado nos anos 60, são um método contraceptivo eficaz utilizado por mais de 100 milhões de mulheres em todo o mundo. No entanto, descobriu-se em 1961 que os mesmos aumentam o risco de trombose em 8-10 eventos a cada 10.000 usuárias/ano, pois o componente hormonal estrogênio altera a hemostasia, gerando um estado de hipercoagulabilidade através do aumento dos fatores VII, IX, X, XII e XIII, fibrinogênio e protrombina, ao mesmo tempo que diminuem a expressão da proteína S e antitrombina III, além de promover a resistência adquirida à proteína C ativada. Diante dessa problemática, o objetivo geral desta pesquisa foi caracterizar a influência do uso de anticoncepcionais orais na incidência de eventos trombóticos. Metodologia: Trata-se de uma revisão integrativa da literatura, cuja coleta de dados foi realizada em março de 2021, nos idiomas português, inglês e espanhol, nas bases de dados SciELO, Lilacs, PubMed/MEDLINE, Cochrane Library, Google acadêmico, utilizando como descritores anticoncepcionais orais, contraceptivos hormonais, trombose, trombose venosa profunda, tromboembolismo venoso, combinados com os operadores boleaños (AND, OR e NOT), partindo da pergunta norteadora: Quais evidências científicas disponíveis na literatura correlacionam o uso de anticoncepcionais orais com a ocorrência de eventos trombóticos?. Resultados: A triagem inicial com o uso dos descritores nas bases de dados permitiu a identificação de 223 títulos. Com aplicação dos critérios de inclusão e exclusão, 39 publicações seguiram para a leitura exploratória dos resumos, tendo sido selecionados e incluídos 21 estudos, com 18 exclusões devido a duplicidade, fuga do tema, indisponibilidade na íntegra e por não responderem a questão norteadora. Destes, 23,80% (5) são de revisão sistemática, 4,76% (1) caso-controle, 19,04% (4) metanálise, 14,28% (3) relato de caso, 33,33% (7) revisão de literatura e 4,76% (1) revisão integrativa. Conclusão: Portanto, o uso dos AOC aumenta o risco de trombose em mulheres sadias em idade reprodutiva e aumenta proporcionalmente com a associação a trombofilias hereditárias e desordens adquiridas, podendo ocorrer em maior risco no primeiro ano de uso e está associado ao tipo e dose do estrogênio, sendo a composição com levornogestrel a mais segura, e a terceira geração mais trombogênica devido ao seu baixo potencial androgênico e resistência adquirida à proteína C ativada. Por isso, a escolha deve basear-se em uma avaliação clínica correta que considere o risco-benefício e as contraindicações de uso para cada mulher individualmente, sendo a orientação farmacêutica fundamental para a escolha da formulação ideal para cada caso.
Aparece nas coleções:Farmácia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TCC LÁLIA VERSÃO FINAL.pdf1.59 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons