Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.animaeducacao.com.br/handle/ANIMA/14587
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorKovacevick, Fabio-
dc.contributor.authorVieira, Suellen-
dc.coverage.spatialParipirangapt_BR
dc.date.accessioned2021-07-15T12:12:14Z-
dc.date.available2021-07-15T12:12:14Z-
dc.date.issued2021-07-07-
dc.identifier.urihttps://repositorio.animaeducacao.com.br/handle/ANIMA/14587-
dc.description.abstractntrodução: O mundo recebeu, com alarde, a notícia da chegada de uma nova enfermidade que se disseminava facilmente por meio de relações sexuais sem preservativos, daí a necessidade de se pensar acerca das políticas públicas de saúde frente à conscientização e ao combate ao HIV/AIDS no mundo. A sociedade científica não esperava que a AIDS fosse a causa de milhões de mortes e que perduraria por tantas décadas, mesmo diante de múltiplos tratamentos e coquetéis. Dentro deste cenário desalentador que acometeu todo o sistema de saúde pública a nível mundial, foram criadas políticas de conscientização e combate a epidemia de AIDS, com distribuição gratuita de medicamentos e de preservativos, tendo o Brasil como o destaque internacional entre as nações em desenvolvimento, além da valorização de profissionais como médicos, enfermeiros e farmacêuticos no enfrentamento planejado. Metodologia: A metodologia adotada pela presente pesquisa é a de cunho bibliográfico, uma vez que se pretende apresentar um painel descritivo de toda a conjuntura que envolve a epidemia global da AIDS/HIV, traçando seu contexto histórico, primeiros casos, a descoberta pela comunidade científica internacional, os primeiros pacientes sintomáticos e os assintomáticos, a tentativa de mudanças de hábitos sexuais sem prevenção indicados a todas as pessoas. Resultados: Como resultados imediatos do levantamento bibliográfico proposto por este trabalho de conclusão de curso, ficaram evidentes a grande preocupação das Nações Unidas (ONU) juntamente com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o despreparo tanto dos sistemas políticos de oferecimento de saúde à população bem como a falta de conhecimento por parte dos profissionais médicos dentre outros como o farmacêutico acerca da nova doença que dizimava vidas. Atualmente, os conhecimentos sobre a AIDS são amplos e possuem um caráter muito mais genérico do que o que ocorria nos anos 80 e 90, somando-se a isso os muitos programas e políticas de financiamento e combate à supramencionada doença. Conclusão: É óbvio que há muito o que se fazer no que diz respeito à AIDS/HIV, mas toda a comunidade internacional já tem experimentado avanços extremamente significativos quando o assunto é esta epidemia, visto que, hoje, há muitas descobertas e progressos em todas as frentes da luta contra a AIDS/HIV, além de mais conscientização sobre a necessidade de profissionais como o farmacêutico que também está em linha de frente com seus conhecimentos farmacoterápicos.pt
dc.format.extent45 f.pt_BR
dc.language.isoptpt_BR
dc.rightsAtribuição-SemDerivados 3.0 Brasil*
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nd/3.0/br/*
dc.subjectHIVpt_BR
dc.subjectAIDSpt_BR
dc.subjectAssistência farmacêuticapt_BR
dc.subjectAntirretroviraispt_BR
dc.titleAssistência farmacêutica em pacientes com HIV/AIDS: uma análise temporalpt_BR
dc.typeArtigo Científicopt_BR
local.subject.areaCiências da Saúdept_BR
local.rights.policyAcesso abertopt_BR
local.author.cursoFarmáciapt_BR
local.author.unidadeAGES / Paripirangapt_BR
Aparece nas coleções:Farmácia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TCC - Suellen Vieira FINAL2.pdf1.7 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons