Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.animaeducacao.com.br/handle/ANIMA/14906
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorMaria Leda Gallo, Solange-
dc.contributor.authorRodrigues de Menezes Castagna, Patrícia-
dc.coverage.spatialPalhoça/SCpt_BR
dc.date.accessioned2021-07-29T19:56:16Z-
dc.date.available2021-07-29T19:56:16Z-
dc.date.issued2021-07-20-
dc.identifier.urihttps://repositorio.animaeducacao.com.br/handle/ANIMA/14906-
dc.description.abstractUma das bases de sustentação da teoria da Análise do Discurso é que a produção dos sentidos, em uma formação social em dado momento histórico, depende de três aspectos: a constituição, a formulação e a circulação. São três momentos inseparáveis do ponto de vista da significação, ou seja, todos os três concorrem igualmente na produção dos sentidos. (ORLANDI, 2012, p. 150-151) Sustentados nessa teoria e diante do avanço tecnológico observado no ambiente jurídico, especialmente após 2018, buscamos compreender como se constitui, como se formula e como circula o discurso de divulgação do Projeto Victor, de forma a não entrar em contradição com a hermenêutica jurídica. O Projeto Victor é o maior projeto de inteligência artificial utilizado pelo Poder Judiciário, resultante da iniciativa do Supremo Tribunal Federal em parceria com a Universidade de Brasília, iniciado no ano de 2018, tendo como uma das principais finalidades a identificação dos temas de repercussão geral de maior incidência. Assim, formulamos esta dissertação em cinco capítulos. No primeiro, introduzimos o tema e trazemos algumas noções da Análise do Discurso utilizadas ao longo do texto, bem como esclarecemos alguns aspectos tratados nos capítulos dois e três, que abordam a Hermenêutica Jurídica, a Inteligência Artificial associada ao Direito, o Projeto Victor e aplicação da IA nos Tribunais Brasileiros, e os Discursos Científico e de Divulgação Científica. No capítulo quatro, formulamos a análise por meio da definição do corpus de pesquisa e selecionamos materiais de divulgação do Projeto Victor, que começaram a ser divulgados a partir do seu nascimento, em 09/04/2018. Em seguida, recortamos vinte e quatro sequências discursivas especialmente produtoras dos efeitos que buscamos mostrar a fim de compor o corpus de análise. Com apoio do aparato teórico-metodológico da análise do discurso e na posição-sujeito analista, realizamos um gesto de leitura sobre o corpus de pesquisa e recortamos sequências extraídas do discurso de divulgação científica do Projeto Victor: em primeiro lugar, aquelas em que estão presentes uma negação, uma vez que toda negação pressupõe uma afirmação com sentido pré-construído; e, em segundo lugar, sequências que trazem a discussão sobre transparência, colocada em xeque em função da falta de publicidade dos atos que são executados pelo algoritmo do Projeto Victor. Finalizamos com o capítulo cinco, com a conclusão da análise. Quanto ao método, a análise do discurso não o estabelece como em outras áreas de conhecimento, mas preocupa-se com a finalidade: “compreender como um objeto simbólico produz sentidos” (ORLANDI, 2015, p. 64). Esta teoria permite transformar a superfície linguística em um objeto discursivo para, em seguida, iniciar-se a análise configurando-se o corpus, seus limites, recortes, retomando-se conceitos e noções, de acordo com Orlandi (2015, p. 64), “pois a análise do discurso tem um procedimento que demanda um ir-e-vir constante entre teoria, consulta ao corpus e análise. Esse procedimento dá-se ao longo de todo o trabalho.” Pretendemos demonstrar, ao final, que não seria possível a introdução da IA nas práticas jurídicas se a verdade e a transparência, resultantes da interpretação que são produto da hermenêutica, de fato já não fossem, em alguma medida, efeitos. E é justamente nisso que está a sustentação do discurso de divulgação do projeto de IA, mas de uma forma um tanto velada, evitando expor a contradição com o discurso jurídico, no sentido de não admitir que a transparência que os interlocutores perseguem nunca existiu, e que na realidade sempre foi uma questão de legitimação política de novas práticas que procuram se inserir no direito.pt
dc.format.extent163 f.pt_BR
dc.language.isoptpt_BR
dc.rightsAtribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil*
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/br/*
dc.subjectAnálise do Discursopt_BR
dc.subjectInteligência Artificialpt_BR
dc.subjectDiscurso Jurídicopt_BR
dc.titleA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E O DESLOCAMENTO DO SENTIDO DE TRANSPARÊNCIA NO DISCURSO JURÍDICOpt_BR
dc.title.alternativeARTIFICIAL INTELLIGENCE AND THE DISPLACEMENT OF THE SENSE OF TRANSPARENCY IN LEGAL DISCOURSEpt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
local.rights.policyAcesso abertopt_BR
Aparece nas coleções:Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTACAO-DEPOSITO_2.pdf2.3 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons