Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.animaeducacao.com.br/handle/ANIMA/3149
Título: As consequências da ativação imune sistêmica sobre o sistema nervoso central após tolerância imunológica no período neonatal: um estudo pré-clínico
Autor(es): Gessler, Karen Beatriz
Orientador: Comim, Clarissa Martinelli
Tipo de material: Dissertação
Data: 2020
Palavras-chave: Tolerância imunológica
Sistema nervoso central
Sistema imune
Modalidade de acesso: Acesso aberto
Resumo: Introduction: Immune activation is characterized by an inflammatory process caused by infectious pathogens, as well endotoxins such as LPS. Although, in childhood, the innate immune system is still developing, it has greater plastic capacity, because external stimuli such as pathogens, may be able to program immune responses until adulthood. The investigation of the tolerance mechanism, as a consequence of exposure to LPS in low doses in the neonatal period, becomes relevant, as it aims to understand whether or not this first immune activation may predispose to the development of late changes after a second exposure to endotoxemic as an adult. Objective: Evaluate the consequences of systemic immune activation on the central nervous system after immunological tolerance in the neonatal period. Methods: Pre-clinical study of the experimental type. 156 male and female C57BL / 6 mice were used. The animals were mated and the offspring used for this study. The collected data were inserted into a database, developed electronically, using the IBM SPSS Statistics 24.0 software. The statistical analysis of the parametric data was performed using the ANOVA test with post-hoc Tukey, and the statistical analysis of the non-parametric data was performed using the Kruskal-Wallis tests. Results: It was observed that the animals that received LPS in the neonatal phase did not present memory deficits and low levels of IL-1b. In the group that received LPS in the neonatal and adult phase, there was an increase in the MDA equivalents and protein carbonylation in an equivalent way to the group of untreated animals. Conclusion: It was found that animals that were subjected to immunological tolerance did not show changes in aversive memory and habituation as well as in IL-1β levels and oxidative damage in brain tissue after receiving an effective dose of LPS.
Introdução: A ativação imune é caracterizada por um processo inflamatório ocasionado infeccioso por agentes patogênicos e também, por endotoxinas como o lipopolisacarídeo (LPS). Embora, na infância o sistema imune inato ainda esteja em desenvolvimento, possui maior capacidade plástica, pois estímulos externos como patógenos, podem ser capazes de programar respostas imunes até a idade adulta. A investigação do mecanismo de tolerância, como uma consequência à exposição ao LPS em doses baixas no período neonatal, torna-se relevante, pois visa entender se esta primeira ativação imune pode ou não pré-dispor ao desenvolvimento de alterações tardias após uma segunda exposição a endotoxêmicos quando adulto. Objetivo: Avaliar as consequências da ativação imune sistêmica sobre o sistema nervoso central após tolerância imunológica no período neonatal. Métodos: Estudo pré-clínico do tipo experimental. Utilizou-se 156 camundongos C57BL/6 machos e fêmeas. Os animais foram acasalados sendo a prole utilizada para este estudo. Os dados coletados foram inseridos em um banco de dados, desenvolvido em meio eletrônico, no software IBM SPSS Statistics 24.0. A análise estatística dos dados paramétricos realizou-se por meio do teste de ANOVA com post-hoc Tukey, e a análise estatística dos dados não paramétricos realizou-se pelos testes de Kruskal-Wallis. Resultados: Observou-se que os animais que receberam LPS na fase neonatal não apresentaram déficits de memória e níveis baixos de interleucina (IL)1β. No grupo que recebeu LPS na fase neonatal e adulta, houve aumento dos equivalentes malondialdeído (MDA) e carbonilação de proteínas de maneira equivalente ao grupo de animais não tratados. Conclusão: Verificou-se que os animais que foram submetidos a tolerância imunológica não apresentaram alteração na memória aversiva e de habituação bem como nos níveis de IL-1β e no dano oxidativo em tecido cerebral após receberam uma dose efetiva de LPS.
Aparece nas coleções:Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação Karen.pdfDissertação Karen Beatriz Gessler4.03 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons