Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.animaeducacao.com.br/handle/ANIMA/9272
Título: Tendência temporal da mortalidade por melanoma cutâneo no Brasil no período de 2001 a 2013
Autor(es): Costa, Mariana Mendes Campos
Freitas, Paulo Fontoura
Orientador: Magajewski, Flavio
Tipo de material: Artigo Científico
Data: 2018
Palavras-chave: Melanoma
Mortalidade
Tendência
Neoplasia
Cutânea
Resumo: BACKGROUND: Malignant melanoma of the skin is the most aggressive cutaneous tumor of higher mortality. Objective: To analyze the historical trend of mortality due to cutaneous malignant melanoma in Brazil from 2001 to 2013. Method: Ecological observational study. Data collected in the DATASUS Mortality Information System. Statistical analysis from a simple linear regression. Approved by CEP-UNISUL. Results: In the analyzed period, there were 16,759 deaths due to cutaneous melanoma in Brazil. There was a tendency to increase mortality due to the disease in the country with an average rate of 0.679 and an average annual increase of cases to 100,000 inhabitants (Beta) of 0.017. There was an upward trend in mortality due to the disease in both sexes, more significant among men (mean rate = 0.78 Beta 0.023). Only the population older than 80 years had a tendency to increase mortality (tx = 8.62 and Beta = 3.59). The population aged between 21 and 40 had a tendency to reduce mortality in the period. The other age groups showed a steady trend. In all regions of Brazil there was a tendency to increase mortality. The South region was the most notorious in the analyzed outcome (tx = 1.61 and Beta = 0.045). The Caucasian population showed greater prominence (tx = 1.17 and Beta = 0.037) when compared to the black and brown races. (tx = 0.21 Beta = 0.006 and Tx = 0.15 Beta = 0.011, respectively). Conclusion: There was a higher upward trend in melanoma mortality among males, Caucasians, older than 80 years, and residents of the southern region of Brasil.
Resumo: Fundamentos: O melanoma maligno de pele é o tumor cutâneo mais agressivo e de maior mortalidade. Objetivo: Analisar a tendência histórica da mortalidade por melanoma maligno cutâneo no Brasil no período de 2001 a 2013. Método: Estudo observacional ecológico. Dados coletados no Sistema de Informação sobre Mortalidade do DATASUS. Análise estatística a partir de uma regressão linear simples. Aprovado pelo CEP-UNISUL. Resultados: No período analisado ocorreram 16.759 óbitos por melanoma cutâneo no Brasil. Ocorreu tendência de aumento da mortalidade pela doença no país com Taxa média de 0,679 e um incremento médio anual de casos para 100.000 habitantes (Beta) de 0,017. Houve tendência ascendente da mortalidade pela doença em ambos os sexos, mais expressiva entre os homens (taxa média=0,78 Beta 0,023). Apenas a população acima de 80 anos teve tendência de aumento da mortalidade (tx= 8,62 e Beta=3,59). A população entre 21 e 40 anos teve uma tendência de redução da mortalidade no período. As demais faixas etárias apresentaram tendência estacionaria. Em todas as regiões do Brasil teve tendência de aumento da mortalidade. A região Sul obteve a maior notoriedade no desfecho analisado (tx= 1,61 e Beta= 0,045). A população caucasiana mostrou maior destaque (tx=1,17 e Beta= 0,037) quando comparada as raças preta e parda. (tx= 0,21 Beta= 0,006 e Tx= 0,15 Beta= 0,011, respectivamente). Conclusão: Houve maior tendência ascendente da mortalidade por melanoma entre os indivíduos do sexo masculino, população caucasiana, acima de 80 anos e residentes da região Sul do Brasil.
Aparece nas coleções:Medicina

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TCC MARIANA RIUNI.pdfartigo cientifico pdf Mariana Mendes Campos Costa259.28 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons