Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.animaeducacao.com.br/handle/ANIMA/9322
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorSchlindwein, Aline Daiane
dc.contributor.authorNunes, Sofia Dahse
dc.coverage.spatialPalhoçapt_BR
dc.date.accessioned2019-06-26T22:54:08Z
dc.date.accessioned2020-11-29T02:12:52Z-
dc.date.available2019-06-26T22:54:08Z
dc.date.available2020-11-29T02:12:52Z-
dc.date.issued2019pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.animaeducacao.com.br/handle/ANIMA/9322-
dc.description.abstractDados limitados sobre o perfil de resistência genotípica em crianças e adolescentes portadores do HIV-1 podem levar ao uso incorreto de terapia antirretroviral e facilitar a falência terapêutica quando em uso do tratamento preconizado como primeira linha. A região Sul do Brasil, um dos principais bolsões do subtipo C, não possui dados consistentes para esta faixa etária. Objectives: Determinar o perfil de resistência genotípica de crianças e adolescentes que vivem com HIV em um Hospital de Referência da Região Sul do Brasil. Methods: Realizado um estudo transversal com crianças e/ou adolescentes que vivem com HIV em acompanhamento em um Hospital de Referência do Brasil. Foram analisadas variáveis demográficas, clínicas e laboratoriais. Results: A média de idade dos pacientes foi de 7,95 anos. DRM foi observado em 47,72% (21/44); 61,9% identificadas em ITRN, 80,95% para ITRNN e 14,29% para IP. As mutações maiores mais frequentes por classe foram M184V, K103N e estas não foram encontradas para IP. Houve prevalência do uso de terapia antirretroviral tripla. 90,9% do subtipo viral foi HIV-1 C. Os antirretrovirais que mais apresentaram resistência foram Efavirenz e Nevirapina. Conclusions: O subtipo viral C foi responsável pela maioria das infecções e quase metade da população pesquisada possuía pelo menos uma mutação de resistência. Demonstramos resistência aos fármacos preconizados como primeira linha e utilizados na prevenção da transmissão da mãe para filho. Necessitamos atentar para o manejo da TARV em crianças e adolescentes uma vez que as opções são limitadas e o tempo de uso maior.pt_BR
dc.format.extent24 f.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.relation.ispartofMedicina - Pedra Brancapt_BR
dc.rightsAttribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Brazil*
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/br/*
dc.subjectHIVpt_BR
dc.subjectCriançaspt_BR
dc.subjectAdolescentespt_BR
dc.subjectResistência genotípicapt_BR
dc.subjectPerfilpt_BR
dc.titlePerfil de resistência genotípica aos antirretrovirais em crianças e adolescentes que vivem com HIV em um hospital de referência da Região Sul do Brasilpt_BR
dc.typeArtigo Científicopt_BR
local.subject.areaCiências da Saúdept_BR
local.rights.policyAcesso embargadopt_BR
local.author.cursoMedicinapt_BR
local.author.unidadeUNISUL / Pedra Brancapt_BR
local.subject.areaanimaCiências Médicaspt_BR
Aparece nas coleções:Medicina

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TCC_VF_SofiaDahse.pdfArtigo Científico - Sofia Dahse Nunes504.53 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons