“Viver com HIV não é crime”: Uma análise crítica do discurso no emprego das terminologias sobre as pessoas que vivem com HIV

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2020-12

Tipo de documento

Artigo Científico

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Área do conhecimento

Ciências Sociais Aplicadas

Modalidade de acesso

Acesso aberto

Editora

Autores

Ribeiro, Igor

Orientador

Maia, Carla

Coorientador

Resumo

Este artigo tem como seu referencial teórico a Análise Crítica do Discurso (ACD) fundamentada a partir dos trabalhos de Fairclough (2001 e 2005). Com base nessa perspectiva, ele analisa, à luz da Teoria Social do Discurso, o estigma social presente nas terminologias utilizadas no contexto das pessoas vivendo com HIV em três textos jornalísticos publicados em dois momentos da história no jornal Folha de São Paulo: no ano de 1983, quando a AIDS passou a ser noticiada no Brasil; e em 2021, o ano em que esta pesquisa foi desenvolvida, após uma afirmação feita pelo Presidente da República associar casos de AIDS à vacinação contra Covid-19. A pesquisa mostra como era representada a pessoa que vivia com HIV no início da epidemia desta doença e compara as terminologias utilizadas para representá-la nos dias de hoje, o que ainda se mantém do estigma que reforça o preconceito social no qual estes indivíduos estão inseridos. O objetivo é mostrar como o preconceito com essa IST está construído e como ele ainda é lido nos dias de hoje, se propondo a ser um convite ao debate sobre o que precisa ser aprendido para que as pessoas vivendo com HIV possam conviver de forma mais segura em todos os âmbitos que ainda são impactadas pela sua condição sorológica.

Palavras-chave

Pessoas Vivendo com HIV, Análise Crítica do Discurso, Folha De São Paulo

Citação

Coleções