Investigação experimental da relação entre o acidente vascular cerebral isquêmico e a sepse: um panorama entre o sexo biológico

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2024-03
Tipo de documento
Tese
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Área do conhecimento
Modalidade de acesso
Acesso embargado
Editora
Autores
JOAQUIM, Larissa da Silva
Orientador
BITENCOURT, Rafael Mariano
Coorientador
PETRONILHO, Fabricia Cardoso
Resumo
Introdução: O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é a principal causa de incapacidade a longo prazo no mundo. A complexidade do restabelecimento do aporte sanguíneo no AVC isquêmico (AVCi) envolve neuroinflamação que pode culminar em sepse. Objetivo: Avaliar a relação entre AVCi e sepse em ratos machos e fêmeas sobre alterações neuroquímicas e comportamentais. Métodos: Ratos Wistar machos e fêmeas com dois meses de idade foram submetidos ao modelo de AVCi por 60 minutos de oclusão da artéria cerebral média ou cirurgia simulada. Aleatoriamente, grupos sham+sham, MCAO+sham, SHAM+CLP e MCAO+CLP, 7 dias pós-AVCi, ratos foram submetidos ao modelo de sepse, ligadura e perfuração cecal (CLP). Avaliações neuroquímicas do tamanho do infarto, ativação microglial e astroglial, citocinas inflamatórias, estresse oxidativo e parâmetros da cadeia respiratória mitocondrial foram quantificados 8 dias pós-AVCi e 24h pós-CLP no córtex pré-frontal e hipocampo. Os efeitos comportamentais de sobrevivência, déficit neurológico, comprometimento da memória e peso foram avaliados até 15 dias pós-AVCi e 8 dias pós-CLP. Resultados: A sepse pós-AVCi pode levar à diminuição da sobrevida, déficit neurológico e memória de curto e longo prazo em fêmeas até 15 dias, apesar de não ter diferença no tamanho do infarto com 8 dias de reperfusão. Aumento da ativação glial no córtex pré-frontal de machos e hipocampo e nos níveis de TNF-α e IL-1B e diminuição dos níveis de IL-6 no córtex pré-frontal e hipocampo de fêmeas com efeito específico sexo. A atividade da MPO aumentou no córtex pré-frontal de machos e fêmeas com diferença significativa em machos. Parâmetros de dano oxidativo aumentados, TBARS no hipocampo de fêmeas com efeito específico sexo e CARBONIL no córtex pré-frontal de machos com efeito específico sexo. Parâmetros mitocondriais diminuídos em machos no córtex pré-frontal com efeito do sexo específico no complexo II, II-III SHD e IV 24h após CLP pós-AVCi. Conclusão: A sepse após AVCi piora a recuperação de fêmeas por até 15 dias.

Palavras-chave
acidente vascular cerebral isquêmico, sepse, neuroinflamação, cérebro, imunodepressão
Citação