Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.animaeducacao.com.br/handle/ANIMA/3188
Título: Às brincas ou às ganhas? Não dá-ses scaps: o poder da linguagem em sua forma de ação social e intencional no jogo de bolinhas de gude
Autor(es): Paula, Regina Aparecida Milléo de
Orientador: Messa, Fábio de Carvalho
Tipo de material: Dissertação
Data: 2004
Palavras-chave: Jogo
Enunciados
Poder
Resumo: The purpose of this study of the terms and statements used on the game of gamble is to show, with the "ludic", what involves the production of the enunciation: presupposition, intention, belief, representation, adhesion, the power of changing interpretations and actions of the speaker. I focus changes and effects on the sense, creation and semantic evolution associating to terms utilizes in this game, terms that cause mythic and linguistic worlds to melt. The practice of this enunciation, the game inside the game, makes the symbolical processes become able to be used within the match and the such expected victory, with the subordination of the adversary, not only with the manual ability and aim, but also with the capability, the power of regulating the behavior by using the speech. I postulate that theses acts own an "ilocucionary" power that makes the "ludic" action of the language an art that transits between the semantic and pragmatic field
Pretendo com este estudo dos termos e enunciados usados no jogo de bolinhas de gude demonstrar, com o lúdico, o que envolve a produção da enunciação: pressuposição, intenção, crença, representação, adesão, o poder de modificar interpretações e ações do interlocutor. Focalizo mudanças e efeitos de sentido, criação e evolução semântica associando-os a termos utilizados neste jogo, termos estes que na ação da partida permitem observar o mundo mítico e lingüístico se fundirem. O treino dessa enunciação, o jogo dentro do jogo, faz com que os processos simbólicos possam ser usados para o desenrolar da partida e a tão almejada vitória, com a subordinação do adversário, não só com a habilidade manual e pontaria, mas com a capacidade, o poder de regular o comportamento de outrem com a ajuda da fala. Postulo que estes atos possuem uma força ilocucionária que faz da ação lúdica da linguagem uma arte que transita entre o campo semântico e pragmático
Aparece nas coleções:Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
73840_Regina.pdfDissertação Regina Aparecida Milléo de Paula700.85 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.