Análise do treinamento resistido e sua influência na força em idosos: uma revisão literária

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2023-12

Tipo de documento

Artigo Científico

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Área do conhecimento

Modalidade de acesso

Acesso aberto

Editora

Autores

SILVA, Eliza Évellyn Fernandes da
MARQUES, Franciscus Vinicius Alves da Silva
MENEZES , Joabe Gomes de Lucena
VIANA, Joana Dark de Jesus
SOUSA, Luís Renato Silva de Andrade e

Orientador

SANCHES, Iris Callado

Coorientador

SANCHES

Resumo

Introdução: Podemos inferir que o número de idosos vem aumentando consideravelmente nos últimos anos. De acordo com dados do IBGE, em 2021, pessoas com 60 anos já eram mais de 14,7% da população residente no Brasil, com tendência de crescimento dessa taxa. Também se observa que muitos desses idosos não estão se preparando para viver de maneira independente. O impacto do processo de envelhecimento afeta diretamente a vida dos idosos, dificultando ou impedindo realização de atividade simples da vida diária. É sabido que o processo de envelhecimento contribui para a diminuição nos níveis de força, perda de massa muscular e, consequentemente, redução da função. O presente estudo tem como objetivo trazer, por meio da revisão de literatura, uma visão a respeito do impacto do treinamento resistido na força muscular e qualidade de vida de idosos. Metodologia: Foi realizada, por cinco pesquisadores diferentes, uma busca nas bases Google acadêmico, Scielo e Pubmed, entre os meses agosto e novembro de 2023, tendo como critérios de inclusão: estudos que analisavam a força como variável para melhoria da valência física em idosos; continham o treinamento resistido como intervenção; de acesso gratuito, e que tivessem como idioma a língua inglesa e portuguesa. Foram encontrados 30 artigos, dos quais 25 foram excluídos, totalizando 5 artigos a serem analisados nessa revisão. Resultados: Os estudos apontam que, quando aplicado em idosos, o TR tem potencial de melhorar significativamente a FM tanto em membros superiores quanto inferiores, assim como aumentar a capacidade funcional, relação que se deve, possivelmente, a estímulos recebidos durante o TR, responsáveis pela sustentação do sistema articular e facilitador da execução de AVDs. Com relação ao teste de 1RM, O grupo composto por mulheres idosas apresentou o aumento de 52% na força quando comparado ao teste de 1RM pós intervenção. Conclusão: O treinamento resistido é uma ferramenta útil, com potencial positivo na saúde dos idosos, proporcionando uma maior independência funcional. Contudo, apesar dos resultados positivos, alguns autores não o reconhecem como estratégia viável para o treinamento de idosos. Mais estudos com diferentes abordagens metodológicas devem ser analisados em busca de obter uma visão mais clara sobre TR em pessoas idosas.

Palavras-chave

envelhecimento, qualidade de vida, idoso, força muscular, treinamento resistido

Citação